segunda-feira, 25 de abril de 2011

14/03/2011

Tentarei não apagar esse post. Tenho visto fotos e reportagens sobre Isabelle Caro…era simplesmente uma mulher com alma de menina. Dá pra sentir o sofrimento nas cartas dela, nos posts do blog, etc. Ela era simplesmente alguém que queria viver feliz, se livrar de toda a dor que a atormentava. Eu entendo. Mais do que isso, passo pelo mesmo. Meu modo de escrever também é diferente, estou mais cansada e fraca, mesmo pra escrever. Meu corpo inteiro dói. O corpo não, meus ossos. Não de uma só vez, pois não aguentaria, mas dói cada parte, em seguida outra e vai continuando. Não saber a quem contar nessas horas me deixa aflita. Tanta gente que gostaria que me ajudasse nem vejo mais ou está distante de mim. Já as pessoas que estão “integralmente” na minha vida não me ajudariam muito. Já contei da minha situação pra alguns, mas desses ou vivem longe ou não me ajudam como deveriam, dizem coisas que já sei e não é isso que quero. Preciso de alguém que me ajude e não que me faça de “coitada”.

Espero ansiosamente pelas minhas 2 consultas, que serão daqui a um mês, espero aguentar até lá. Quero muito me internar, será o melhor caminho para mim. Não sei quanto tempo ficarei, desde que me faça sentir um pouco melhor, blz. Vai demorar um tempo pra me reestabelecer, mas vou com força de vontade e confiança fazer valer a pena. O que me assusta é descobrir pessoas com anorexia e logo depois saber que morreram. Não quero que isso aconteça comigo. 2 ídolos contra anorexia me fizeram ter esperanças, até descobrir que eles não conseguiram vencer a doença me deixou muito assustada.

Não quero ser mais uma na estatística, quero mudar isso. Antes eu adorava quando as pessoas olhavam pra mim e elogiavam minha magreza sem saber que tinha anorexia ainda. Agora isso me irrita. Me irrita gente me encarando, citando o quão magra sou… Não tem mais como esconder; antes achava que ninguém percebia, agora sei que todos à minha volta sabem, mas ninguém comenta. Por que? Se alguém tivesse comentado antes “sua magreza é fora do comum. Não é normal”, eu teria procurado ajuda. Mas descobri tarde demais. Corro contra o tempo, luto pela minha própria vida. Nem sei se consigo. Não consigo respirar, meu corpo rejeita o que (tento) comer, meu sistema sanguíneo/imunológico/intestinal está corrompido… nunca tive planos p/ nada, agora que tenho planos tenho de lutar pra sobreviver se quiser concluir algum dos meus planos. Há pessoas que tem sonhos, eu tenho planos, que são mais racionais e concretos.

Meus ossos doem. Antes a perna, agora atrás do pescoço. As piores dores são no pulso e na cintura, dói muito, dói tanto, tanto a dor física quanto a mental.

Texto originalmente escrito por mim ;)

2 comentários:

  1. A Anna não pode ser a tua vida...já o percebeste. A luta contra ela não é fácil É uma doença com a agravante que 'os outros', 'alguns outros' pensam que é uma mania de dietas.
    Teres-te apercebido do problema é um grande, um enooooorme passo!
    As consultas vais ver que correm bem (por favor não mintas aos especialistas, mentir-lhes, e como ex-ana sei bem o papel que a mentira tem na doença; mentir-lhe pode fazer com que errem o dagnóstico...e o tratamento).
    SIM, é POSSIVEL VENCER A ANA! Acredita. Vencê-le é passar a Viver LIVRE.
    Um abraço e que os próximos dias sejam dias de vitórias (que anunciem outras futuras). Vitórias pequenas que sejam são vitórias.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada mesmo, foi uma surpresa ver o SEU comentário aki..Farei o possível. Continuando ou não Ana, sei que pelo menos terei a consciencia de ter tentado!

    ResponderExcluir

Seguidores