sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Estamos obcecadas pelo contorno facial? - via Julia Petit

            
                            Post retirado do site juliapetit.com.br.


kim-kardashian-contorno
Desde que trabalho com jornalismo de beleza, nunca ouvi falar tanto numa técnica de maquiagem (e um produto de beleza para fazer a tal técnica) quanto a de contorno facial. Seja por influência das meninas da família Kardashian ou não, nunca se debateu tanto sobre o assunto, que existe há anos nos bastidores das drag queens, nos palcos de teatro, dentro do cinema…  A verdade é que, hoje em dia, há uma obsessão pelo contorno rondando a internet, os salões de beleza e as nossas penteadeiras toda vez que vamos nos maquiar.
O mercado, claro, se aproveitou do bafafá que criou não só as paletas faciais, como também inventou novos nomes para a velha e já conhecida sombra, agora chamada de “paleta de contorno para olhos”, e produtos dermocosméticos que fazem essa mesma função de afinar, modificar, esculpir, só que para o corpo.
Nick Barose, maquiador que costuma trabalhar com Lupita Nyong’ofalou ao The Cut no começo do ano sobre essa tal obsessão de imitar a maquiagem que se vê no tapete vermelho (e que só funciona lá) para a nossa vida real. “Maquiagem funciona com a luz. Usar contorno para o dia a dia não é factível, a não ser que você seja a Kim Kardashian e contrate o povo para ficar te seguindo na rua, com uma equipe de filmagem te seguindo com holofotes”, disse. E é ai que ele também fala que um dos problemas a respeito do contorno é que, com ele, criou-se mais um padrão de beleza.
Corrigir o desenho do rosto, aliás, refazer todo o rosto, acaba deixando todo mundo com a mesma feição. Testa, bochechas, nariz, e qualquer outra área que o produto é capaz de esculpir – e as técnicas mirabolantes sobre o contorno não param de ser criadas: a “Clown Contouring” (abaixo), técnica que ganhou esse nome por imitar a cara de um palhaço, o “Tontouring“, truque feito com auto-bronzeador, o ”Strobing” (que nada mais é do que o bom e velho iluminador) e várias outras maneiras e técnicas de contorno que são encontradas a rodo na internet como milagres.
clown-contorno
Muito do que era para ser divertido na maquiagem, ou ser usado como truque quando necessário, virou piração e obrigação para muitas mulheres toda santa vez que elas vão se maquiar. Cada vez que saio com as minhas amigas ou me arrumo com elas no dia a dia, escuto: “Meu nariz é muito grande. Queria que ele fosse menor”, “Queria ter as bochechas ‘chupadas’”, comentários sempre acompanhados da paleta de contorno numa mão e o pincel na outra. ”É para se divertir e não se preocupar em sempre tentar mudar o rosto”, avisou a nossa Ruiva. Tudo isso, inclusive, vai totalmente na contramão do que também anda acontecendo: mulheres que buscam a beleza natural e procuram enaltecer ainda mais as suas características que as tornam únicas.
Mas a “tendência” migrou também para as mesas de cirurgia. É o que disse o cirurgião plástico norte-americano Matthew Schulman ao Stylecaster, que afirmou existir uma procura maior de pacientes querendo “contornar o corpo”. “Implantes de silicone não são usados mais para para aumentar, e sim ajudar a melhorar a aparência da mama e também definir mais o contorno dos seios. Além disso, a lipoaspiração é usada para ajudar a criar a aparência de músculos abdominais e aquele vão entre as coxas. O contorno no quadril também é feito utilizando uma combinação de lipoaspiração com lipoenxertia (quando retira a gordura na lipo e coloca em outro lugar)”, disse.
julia-petit-contorno
A obsessão ficou tamanha que teve até quem fizesse crítica em desfile de moda, como aHood by Airque levou às passarelas modelos contornadas, mas sem nenhum esfumado, nenhuma sutileza, deixando bem claro quão exagerada pode ser a técnica.
A questão não é demonizar o contorno ou falar pra ninguém nunca mais fazer. Ele só não precisa ser uma obrigação, e muito menos a única maneira de alguém se sentir bonita. Uma maquiagem nem sempre precisa envolver passos e mais passos, e se você não conseguir fazer ou simplesmente não quiser fazer, tá tudo bem – e se quiser fazer está tudo bem também. A maquiagem tem que existir pra facilitar a sua vida e torná-la mais divertida. Não tem que ser um estorvo ou criar mais uma obrigação, mais um padrão de beleza. Nossa Ruiva já deu várias dicas de como contornar com calma e conseguir adaptar a técnica a vida real. Ela também já contou como escolher os produtos adequados para cada tonalidade de pele e mostrou na prática, no “Manual de Contorno Facial“. A decisão é sua.
Fotos: Twitter Kim Kardashian, Cosmopolitan norte-americana, Petiscos, StyleCaster.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Post retirado do site juliapetit.com.br.

3 comentários:

  1. Que post interessante! Eu não sei me maquiar só uso em ocasiões especiais, e não passa de pó, BB cream, e batom.
    Achei o contorno muito útil, mais concordo que maquiagem e as técnicas deve ser usada para se divertir e não como uma obrigação.

    Obs: O blog está lindo!

    ResponderExcluir
  2. Olá Thalita...
    A técnica do contorno é bem interessante. Embora, ás vezes da aquele aspecto de exagero. É bonito sim, mas quando não fica exagerado.

    No dia a dia, eu uso pouca coisa. Mas quando eu vou pra alguma festinha, aí faço algo mais detalhado rs.

    Acho que a beleza está quando não usamos maquiagem. E também, temos que deixar a pele respirar um pouquinho. Não há necessidade de ser uma obrigação, mas apenas algo para acentuar a beleza.

    Abraços da Lua

    ResponderExcluir

Seguidores